Suave é a noite

…Outra vez te revejo, sombra que passa através de sombras e brilha um momento a uma luz  fúnebre desconhecida, e entra na noite como um rastro de barco se perde na água que deixa de se ouvir…

Lisbon Revisited, 1926. Fernando Pessoa.