Bem-vindo

Poramoralisboa.com pretende ser o site de referência para os amantes de Lisboa pelo mundo, e que somos já uma grande minoria. Através de uma combinação mágica de palavras, imagens e música, e com a cidade como pano de fundo, pretendemos não apenas entender mas também recriar aquele estado de espírito tão especial que eleva e atravessa a cidade… porque Lisboa é, sem dúvida, das cidades que imprimem o seu carácter. Pretendemos chegar até onde os guias convencionais não chegam, à alma do lugar, para satisfação do viajante inquieto e exigente, do militante da saudade, com conteúdos predominantemente literários e uma clara vocação para oferecer “alternativas” às escapadelas ou estadias convencionais, para todos aqueles que querem “sentir” e não apenas fotografar a cidade.

Tendo como ponto de partida o romance “Talvez se chame Lisboa…” – toda uma viagem narrada à capital lusa que, como explica o autor no prólogo, foi escrito para colmatar a falta de algo semelhante nas livrarias, convida-nos a aprofundar a nossa devoção por uma cidade e pelo seu povo. Uma devoção que se quer partilhadas com tantos outros “admiradores” de Lisboa em género de declaração de amor. Esta é a nossa carga “ideológica” e não outra… somos conhecedores das suas entranhas, dos seus defeitos e virtudes, mas completamente arbitrários e parciais ao declarar a nossa incondicionalidade por Lisboa. Isto apenas em género de aviso à navegação. Não temos a pretensão de que o que dizemos é sagrado relativamente ao típico “o que ver”, “o que visitar”, “onde comer”, “que comprar” ou “onde beber um copo”, porque estamos conscientes de que cada viajante é genuíno e a cidade completamente diferente a cada olhar. Nem pretendemos fingir ou dogmatizar, sobretudo porque ainda nos falta por descobrir mil lisboas. É por esta razão que as nossas recomendações e sugestões são sempre acompanhadas de nuances e observações, para que cada um por si possa chegar à mesma conclusão: deixe-se levar pela cidade, pela própria cidade e por mais ninguém… cidade, aliás, “Lisboa”, que é mulher, caso alguém ainda não tenha percebido isso. O nosso conselho? Vagueie à deriva, deixe-se perder, pergunte às pessoas, apareça sem avisar, debruce-se na colina, espreite, contraste ou simplesmente sente-se num café, de frente para a vida na rua. Mas, em todo o caso, surpreenda-se. E se não lhe couberem no bolso da sua mente ou se a areia do tempo deslizar através de um buraco, livre-se das nossas sugestões. Isso sim: use sapatos confortáveis.

Mas como esta página não é concebida sem a interacção dos seus visitantes, esperamos que cresça graças à colaboração, sugestões e contribuição dos seus cúmplices, ibéricos ou não, ocasionais ou frequentadores da cidade, recém-chegados ou tão eternos como a própria Lisboa, corações em paz com o mundo ou sedentos de batalha. E, claro, aceitamos as críticas (porque é perfeitamente possível que tenhamos a cidade um pouco idealizada…). Assim, para todos os gostos.

Esta é, portanto, uma página que nasce, como tal, no Verão de 2010, sem a pretensão de ser exaustiva ou ter a última palavra, mas com o desejo de despertar o interesse, entreter o olhar, somar e seguir, recrutar adeptos e para pensar em grande; com uma estrutura básica, mas tantas possibilidades como as que oferecem os seus visitantes, utilizadores, amigos e que são aqueles que contribuem para fazer deste projeto algo de belo.

E tudo isto, por amor a Lisboa…

Por amor a Lisboa